ASSISTA AGORA

  • Dublado HD

Assistir Agora Assistir Agora

Assistir Agora Assistir Agora

Assistir Agora Assistir Agora

Viva o México!

Viva o México!

May. 12, 2023190 Min.
Sua avaliação: 0
9 0 voto

Sinopse

Pancho volta à sua cidade natal com a esposa e os filhos para receber a herança deixada pelo avô. Mas seus parentes não vão deixar barato.

Opinião Pública sobre Viva o México!

O que é pior do que uma comédia grosseira, repetitiva e sem graça que não tem nada de interessante a dizer? Uma comédia grosseira, repetitiva, sem graça, que não tem nada de interessante a dizer e se arrasta por 191 minutos. Em outras palavras, evite esse filme lixo a todo custo. Sim, você leu corretamente: o desperdício de tempo “¡Que Viva México!” tem três horas e 11 minutos de duração, o que é irritantemente longo demais para um filme tão estúpido.

Dirigido por Luis Estrada (que co-escreveu o péssimo roteiro do filme com Jaime Sampietro), “¡Que Viva México!” (que significa “Viva, México!” em espanhol) originalmente deveria ser um filme da Netflix com data de lançamento em 16 de novembro de 2022, mesma data em que o filme estava programado para ser lançado nos cinemas e na Netflix. Mas algo deu errado com esse acordo de distribuição. Estrada (que também é o produtor do filme) deu entrevistas dizendo que comprou os direitos do filme de volta da Netflix e assinou um contrato com a Sony Pictures International Productions. A Netflix, cujos filmes variam de excelente a horrível e tudo mais, acabou de se salvar de ter outro filme ruim em sua programação.

No início de “¡Que Viva México!”, o arrogante e egoísta Pancho Reyes (interpretado por Alfonso Herrera) é um gerente geral sênior da principal fábrica de uma empresa têxtil na Cidade do México, onde supervisiona vários trabalhadores. Ele é temido, mas não respeitado por seus subordinados. Para cortar custos, Pancho tem demitido funcionários, e os funcionários que permanecem devem assumir uma carga de trabalho maior. Pancho se delicia em decidir quantas pessoas farão parte das demissões porque gosta de ter esse poder.

O chefe de Pancho, Jaime Sampaolo (interpretado por José Sefami), dono da empresa, é ainda mais egoísta e implacável do que Pancho. O politicamente conservador Jamie odeia sindicatos, pagando salários justos e políticos liberais. Jamie também é um idiota misógino que espera que as funcionárias sejam nada mais do que brinquedos sexuais para seus chefes. Desnecessário dizer que Jaime odeia o movimento #MeToo, pois reclama disso em um discurso retórico para Pancho.

Um dia, Jaime chama Pancho ao escritório de Jaime e elogia Pancho por alcançar alta produtividade para a empresa. Jaime não se importa com quantos funcionários foram demitidos por Pancho, desde que os lucros da empresa continuem aumentando. Jaime avisa a Pancho que Pancho está a caminho de ser promovido a gerente geral corporativo.

Ao longo de “¡Que Viva México!”, Pancho tem pesadelos que são cenas falsas feitas para parecer que estão realmente acontecendo com Pancho na época, mas então as cenas são reveladas como Pancho tendo um pesadelo. Essas cenas de “pesadelo” são muito enigmáticas e rapidamente se tornam cansativas. Essas cenas de “pesadelo” também são formas preguiçosas e sem imaginação de esticar o tempo total de execução do filme.

“¡Que Viva México!” abre com um desses cenários de pesadelo, onde Pancho e sua esnobe esposa Maria Elena, apelidada de Mari (interpretada por Ana de la Reguera), estão jantando de gala com outros convidados no que parece ser um clube de campo ou resort sofisticado. Jaime parabeniza Pancho por ser gerente geral sênior da empresa, apesar de vir de uma origem duvidosa. Um dos temas principais do filme é que Pancho tem vergonha de sua família da classe trabalhadora, que deixou para trás em sua cidade natal, a fictícia La Prosperidad, no México. Pancho acha que esses membros da família são inúteis.

De repente, esta festa abafada é interrompida por dois homens idosos portando rifles e apontando essas armas para os convidados. Esses intrusos são o pai de Pancho, Rosendo Reyes (interpretado por Damián Alcázar) e o pai de Rosendo, Francisco (interpretado por Joaquín Cosio), que dizem que não querem dinheiro. O pai e o avô paterno de Pancho dizem que só querem vingança por Pancho ser tão ingrato por seus sacrifícios, como pagar a faculdade de Pancho. Quando parece que Pancho vai levar um tiro, ele acorda desse pesadelo.

Mari sabe dos pesadelos de Pancho e vive dizendo a ele para ir a um terapeuta. Em resposta, Pancho grita com ela e diz que ela não deveria julgá-lo porque ele sabe tudo sobre como sua “família de lixo branco” conseguiu seu dinheiro. A nacionalidade de Mari é mexicana, mas há várias menções no filme de que ela identifica sua raça como branca, pois sua família é descendente de europeus brancos.

Mari é um estereótipo vazio de uma “esposa troféu” egocêntrica e materialista. Mari também é muito rude com a empregada da família, Lupita (interpretada por Sonia Couoh), que tem uma personalidade gentil e descontraída. Por exemplo, quando Lupita faz um comentário inofensivo sobre algo na casa, Mari diz a Pancho em tom mesquinho e abafado que Lupita está sendo difícil. “Ela pensa que é uma de nós,” sussurra Mari.

Pancho e Mari têm dois filhos: o filho Tony (interpretado por Raphael Camarena) e a filha Cati (interpretada por Mayte Fernández), que parecem ser gêmeos, embora o filme não diga com certeza. As crianças têm cerca de 7 ou 8 anos. Essas crianças também são os únicos personagens do filme que não são feitos para parecer tolos ou horríveis. Todos os outros membros do elenco interpretam como seus personagens foram escritos: como paródias ruins.

Um dia, Pancho recebe várias ligações em casa e no trabalho de seu pai Rosendo. Pancho evita deliberadamente essas ligações porque não quer falar com o pai. Na verdade, ele não quer nada com seus familiares que ainda vivem em péssimas condições de vida em La Prosperidad, incluindo sua mãe Dolores (interpretada por Ana Martin). Pancho não tem contato com esses parentes há muitos anos. Ele ainda nem conheceu a maioria deles.

No entanto, Pancho finalmente atende a ligação de Rosendo e descobre que o pai de Rosendo, Francisco, morreu alguns dias antes. Francisco era mineiro e a família descobriu que Francisco tinha um testamento secreto. Especula-se que Francisco, sempre em busca de tesouros de ouro, possa ter escondido ouro que será repassado a alguém da família por meio de herança.

Portanto, Pancho concorda em ir para La Prosperidad por ganância, não por tristeza. Ele decide pedir uma licença de três semanas de seu trabalho. Mari, Tony, Cati e Lupita também estão nessa viagem. Os parentes de Pancho vivem em uma área isolada e subdesenvolvida. E você sabe o que isso significa.

Porque esse filme idiota é muito falso e ilógico, “¡Que Viva México!” inventa a história em torno de Pancho e sua comitiva familiar sendo “forçados” a viver em condições miseráveis ​​no complexo familiar, onde não há banheiros internos, serviço de telefone celular e serviço de Internet. Os espectadores devem acreditar que Pancho e Mari não conseguem encontrar uma maneira de encontrar um hotel confortável.

A família Reyes em La Prosperidad é um clã grande, turbulento e argumentativo. Todos esses personagens extras estão no filme principalmente para que várias pessoas gritem umas com as outras em conflitos que geralmente não levam a lugar nenhum. É mais uma forma de “¡Que Viva México!” perde muito tempo. Pancho vê a maioria desses parentes pela primeira vez em vários anos, quando vai a La Prosperidad para o funeral de Francisco e para ver o que pode obter de qualquer herança que tenha sido deixada para Pancho. Um padre corrupto chamado padre Ambrosio (também interpretado por Alcázar) tem um grande papel no que acontece na história.

Os membros desta família La Prosperidad incluem os seis irmãos de Pancho: o irmão Rosendo Jr., apelidado de Rosendito (também interpretado por Cosio), que agarra Pancho pelos órgãos genitais de Pancho quando Pancho e Rosendito se veem pela primeira vez em anos; irmã Socorro (interpretada por Zaide Silvia Gutiérrez), que é descrita como uma “pudica religiosa” por seu pai; o irmão Hilario (interpretado por Luis Fernando Peña), que é chamado de “o artista da família”; o irmão Rufino (interpretado por Álex Perea), que é descrito como “a ovelha negra da família” e que imediatamente agarra Mari de forma sexualmente sugestiva; irmã transgênero Jacinta (interpretada por Cuauhtli Jiménez), cujo antigo nome era Jacinto; e a irmã grávida e solteira Bartola (interpretada por Vico Escorcia), que tem outros seis filhos. Todos os filhos de Bartola têm pais caloteiros diferentes.

Os outros significativos dos irmãos de Pancho incluem o marido “poeta” de Socorro, Cruz (interpretado por Enrique Arreola), que usa muletas e foi professor; a esposa de Hilario, Pánfila (interpretada por Natalia Quiroz), que é tão esquecível que Rosendo Sr. não consegue lembrar o nome dela; a namorada promíscua de Rufino, Gloria López (interpretada por Mayra Hermosillo), que imediatamente flerta com Pancho; e o marido de Jacinta, Guadalupe “El Lupe” Flores (interpretado por Fermín Martínez), que finge ser um parceiro amoroso, mas na verdade é abusivo. Completando esta família disfuncional estão a viúva de Francisco, Pascuala (interpretada por Angelina Peláez); o irmão de Rosendo, Regino (também interpretado por Alcázar); e o filho de Regino, Reginito (também interpretado por Cosio), que é muito competitivo com os primos.

“¡Que Viva México!” tem muitas cenas sexistas e cafonas em que qualquer mulher com menos de 50 anos é tratada como alvo de assédio sexual ou retratada como existindo apenas para dar prazer sexual aos homens. Pancho não tem escrúpulos em trair Mari, mas quando descobre que ela pode ficar tentada a traí-lo, ele fica louco de ciúme e raiva. As decisões de Mari sobre trair ou não Pancho sempre são feitas quando ela está bêbada, então o filme tem cenários repugnantes em que certas pessoas tentam envergonhar, constranger ou tirar vantagem de Mari enquanto seu julgamento é prejudicado pelo álcool.

“¡Que Viva México!” também tem vários cenários grosseiros envolvendo funções corporais. O ponto baixo é quando alguém defeca no túmulo de Francisco, e o filme mostra os detalhes gráficos, sem edição discreta. O que essa pessoa faz com o túmulo de Francisco é como “¡Que Viva México!” faz à esperança de qualquer espectador que “¡Que Viva México!” poderia realmente se transformar em um bom filme.

Onde Assistir Filme Viva o México! 2023?

Aqui você encontrará todos os filmes que podem ser vistos, incluindo o filme Viva o México! mega filmes. Se você quiser ver algo neste site, saiba que os gêneros que ele abrange incluem Crime, Ação, Ficção Científica, Animação, Romance, Suspense, Comédia, Drama e Séries.

Muito obrigado. Informaremos a todos os que queiram receber notícias ou informações sobre a programação deste ano e como assistir aos seus filmes preferidos. Esperamos poder ser seu melhor parceiro na busca de recomendações para seus filmes favoritos. Atenciosamente!

Obrigado por assistir ao vídeo de hoje.

Espero que tenham gostado do vídeo que compartilhei. Se você gosta do conteúdo que compartilhamos, dê um joinha para sabermos que você gostou ou compartilhe, o que nos deixa ainda mais felizes.

Título Original ¡Que Viva México! Legendado
IMDb Avaliação 6.0
TMDb Avaliação 6.4 15 votos

Diretor

Luis Estrada
Director

Elenco

Damián Alcázar isRosendo / Regino / Ambrosio
Rosendo / Regino / Ambrosio
Alfonso Herrera isPancho Reyes
Pancho Reyes
Joaquín Cosío isRosendito / Reginito / Abuelo
Rosendito / Reginito / Abuelo
Leticia Huijara isSecretaria Regino
Secretaria Regino
Compartilhado0

Títulos Recomendados

Jim Knopf e os 13 Piratas
Robin Williams – Come Inside My Mind
Ângela: O Anjo da Morte
Indecência
After
Drácula: A Última Viagem do Deméter – The Last Voyage of the Demeter
Post Mortem – Fotos do Além
Jogo do Destino
O Dom da Premonição
Acts of Love
Scrapper
O Despertar do Tigre